Atividades econômicas no Brasil colonial

A primeira atividade econômica que foi explorada no Brasil foi a extração de pau-brasil. A exploração de pau-brasil era feita pelos índios e intensificou-se com a chegada dos portugueses. A árvore foi tão explorada que quase chegou a ser extinta. O problema é que a extração do pau-brasil não promovia a colonização para o território. Os navios chegavam, a madeira era cortada e logo os portugueses iam embora.

Depois vieram atividades que ajudaram a colonizar e explorar melhor o território da colônia. Tendo em vista que a exploração até 1530 limitou-se exclusivamente ao litoral.

 

 

Cana de Açúcar

Iniciou-se no Brasil a fabricação do açúcar em engenhos. Vários foram os motivos para essa escolha:

  • A experiência dos portugueses com o cultivo de cana;
  • A existência no Brasil de um solo propício ao plantio de cana (massapê);
  • A alta cotação do açúcar no mercado europeu;
  • Promover o povoamento da colônia, visando legitimar a posse e proteger as terras de invasores (como holandeses e franceses, por exemplo).
Ilustração de escravos trabalhando em um engenho. | Imagem: Reprodução

Ilustração de escravos trabalhando em um engenho. | Imagem: Reprodução

 

Resumindo, os portugueses tinham experiência neste ramo. Tinham um território onde havia condições excelentes para plantar. Havia um mercado onde produto era caro. E ainda de quebra podiam povoar melhor sua colônia e protegê-la (já que sofria bastante invasões neste período). Só havia vantagens para adotar o açúcar… então só faltava mesmo patrocinar e promover a atividade com vigor! E foi isso mesmo que a Coroa fez.Com isso, a cultura de cana se transformou no alicerce econômico da colonização portuguesa no Brasil entre os séculos XVI e XVII. As regiões onde a cultura de cana mais prosperou foi o Nordeste (Bahia e Pernambuco).
Foi introduzido o esquema de plantation para o cultivo da cana de açúcar, caracterizada por:

  • Cultivo de cana em grandes propriedades de terra (os latifúndios);
  • Mão de obra escrava. Primeiro tentaram escravizar os índios, mas devido à resistência destes, os escravos africanos começaram a ser empregados em massa;
  • Monocultura. Só se plantava uma cultura nos engenhos: a cultura de cana;
  • Produção destinada à exportação.

O objetivo da adoção do plantation era a produção em larga escala com custo reduzido. Os donos de grandes propriedades (latifundiários) tinham um território grande e propício à cultura, que dedicavam totalmente a ela. Tinham trabalhadores escravos (só precisaria pagar na aquisição e sustentá-los). O cenário e as vantagens dos portugueses era muito favorável para que os lucros fossem altos. E foi exatamente o que obtiveram adotando o plantio da cana de açúcar.

 

 

Mineração de Ouro

No final do século XVII, a economia açucareira enfrenta dificuldades devido a concorrência com o açúcar das Antilhas (holandês). Um bandeirante chamado Antônio Rodrigues Arzão encontra ouro no território onde hoje fica localizado o estado de Minas Gerais.

No século XVIII inicia-se então o ciclo do ouro. O sonho do ouro e a esperança de trabalho e riqueza faz com que ocorra a primeira corrida do ouro da era moderna. Aumenta muito a imigração externa para o Brasil (pessoas vindas de Portugal) e interna também (com muitas pessoas abandonando suas cidades para viverem próximas das regiões mineradoras). Essa imigração foi responsável por multiplicar por 10 a população da colônia: saltando de 300 mil para 3 milhões de habitantes em 100 anos (1690 – final do século XVIII).

Johann Moritz Rugendas - Lavagem de Ouro

Johann Moritz Rugendas – Lavagem de Ouro

 

O ciclo do ouro ajudou a povoar o interior do Brasil. E com isso surgiram muitos povoados e vilas próximas nas regiões de extração do minério. Fez deslocar o eixo econômico da colônia para o Sudeste (inclusive deslocando a capital de Salvador para o Rio de Janeiro).

Houve uma grande taxação por parte da Coroa e aumento do controle e fiscalização da colônia durante este período. As principais taxas criadas foram:

  • Quinto: Imposto de 20% sobre o total de ouro extraído. Pago nas casas de fundição, que transformava o ouro em barras com o selo da coroa portuguesa (já retirando os 20%);
  • Derrama: Caso a colônia não arrecadasse aproximadamente 1.500 kg de ouro por ano, os bens de mineradores eram confiscados até que se atingisse a quota estabelecida pela coroa;
  • Capitação: imposto pago pelo senhor de lavras por cada escravo que trabalhava em seus lotes.Este ciclo durou até o final do século XVIII, quando as minas foram se esgotando. E outras atividades econômicas, antes secundárias foram ganhando relevância.

 

Ilustração de Cabral © 2015 História Fácil (http://www.historiafacil.com.br). All rights reserved.

Você sabia?

Haviam atividades econômicas secundárias (acessórias) no período colonial. Havia uma produção têxtil doméstica e produção de gêneros alimentícios. Houve uma indústria naval que surgiu para o reparo e construção de embarcações. E também houveram muitas atividades relacionadas a construção cívil, artesanato, azeite de baleia (iluminação pública) e serviços de alfaiates, carpinteiros, serralheiros, oleiros, ourives, sapateiros, etc.

 

Mas somente a partir do ciclo do ouro, é que houve a expansão dessas atividades e o aumento de sua relevância. Tudo devido ao crescimento da população.

 

 

 

Conclusão

Neste artigo apresentamos o panorama geral dos ciclos econômicos do Brasil colonial. Dividindo entre séculos, tivemos a predominância dos seguintes ciclos econômicos:

  • Do séc. XVI ao XVII: Ciclo do açúcar;
  • Século XVIII: Ciclo do ouro.

Vejamos no infográfico abaixo, o volume de exportações da colônia referente a cada ciclo. Você poderá perceber com isso, quais eram as atividades e seu peso em cada período:


Iremos explorar cada ciclo, com a riqueza de detalhes, que merecem em artigos posteriores.

 

 

Multimídia

Resumo do artigo

Artigos Relacionados

Ilustrações de personagens (Tiradentes, César, Napoleão e Cabral): Copyright © 2015 História Fácil (http://www.historiafacil.com.br). Todos os direitos reservados. Vide termos de utilização deste site (clique aqui).

Autor: Diego Queres

Copartilhe Este Artigo No
  • gustavo

    valeu era pra umtrabalho escolar mais nas proximas vezes em que postar textos posta as principais atividades economicas

  • Oi Gustavo, boa noite! Ficamos felizes por ter ajudado em seu trabalho.
    Você pode verificar pelos subtítulos no artigo, que abordamos as duas principais atividades econômicas: Cana de Açúcar e Mineração do Ouro, Passando alguns detalhes sobre essas atividades.
    No caso deste artigo, fizemos um resumo que pode ser interessante também, disponível em: http://www.historiafacil.com.br/resumo/?type=resumo&postid=134

    Abraços!

  • Ana Lídia

    Ajudou um pouco mas nem tanto 🙁

  • Ana Lídia

    Seria melhor se tivesse principais atividades economicas
    :*)

  • Oi Ana Lídia, tudo bom?

    Colocamos as principais atividades econômicas no artigo. Só que elas estão detalhadas em cada subtítulo. Seguem as principais atividades:

    • Cana de Açúcar
    • Mineração de Ouro

    No final do artigo, procure o subtítulo Conclusão. Lá há também os períodos onde cada uma foi predominante.
    Também estão descritas essas atividades no resumo do mesmo artigo: Resumo

    Esperamos ter ajudado.

    Abraços,
    Diego

  • obrigada seu siti e muito ótimo vou ate fala para meus amigos sobre ele quem sabe pode ajudar eles também . bls e valeu

  • nirdo

    muito bom tudo oque eu presisava

  • Excelente professor!!! Temos todas as respostas aí! Precisamos agora é de alunos pesquisadores que leiam mais!!!!

  • Sofia Inoue

    Muito bom mesmo!!! Me ajudou bastante, obrigada!! 😀

  • João Victor Batista da Silva

    Excelente! ótima explicação

  • arilson ferreira

    Ótima explicação,mas esqueceu de citar a pecuária,o algodão e das drogas do sertão voltada para o mercado europeu

  • ALR Ferramentas

    meu nome e Helena tenho 11 anos e estou fazendo uma pesquisa muito grande essa explicaçao e muito boa, eu sou uma das muitas alunas que vc estava procurando

  • Ficamos felizes em ajudar, Helena.