A política do café com leite

O que era política do café com leite?

A“Política do Café-com-Leite” tinha esse nome devido à sucessão de membros das oligarquias agrárias paulista e mineira nos cargos mais altos da política brasileira, inclusive o de presidente. Esse nome também foi utilizado devido aos produtos que geravam a renda das duas mais poderosas oligarquias agrárias do Brasil, Minas Gerais, com o leite, e São Paulo, com o café. Vale ressaltar que o que colocava as duas oligarquias em pé de igualdade não era só os produtos que produziam (já que o café valia muito mais que o leite para o mercado internacional), mas o fato de que Minas Gerais possuía o maior número de eleitores do país.

Para garantir o resultado das eleições de maneira desejada pelos articuladores da Política do Café com Leite eram utilizadas ferramentas como o coronelismo, o voto de cabresto e a política dos governadores. Naquela época o voto não era secreto e os coronéis de cada região controlavam em quem as pessoas iriam votar. Os coronéis davam seu apoio aos governadores, que apoiavam o presidente e ambos permitiam a continuidade do poder dos coronéis. Assim se formava um governo oligárquico, no qual só tinham acesso ao poder os que faziam parte do grupo dominante.

© 2015 História Fácil (http://www.historiafacil.com.br). All rights reserved. This picture provided by História Fácil website are copyrighted and unauthorized use of any of these materials may violate copyright and/or other laws. These terms are subject to the following restrictions: users may not: (a) modify any materials on this Web site or use them for any commercial purpose, public display, performance, sale, lease, or rental; (b) reverse engineer, de-compile, or disassemble any software, applets, images, photographs, or scripts except and only to the extent permitted by applicable law; (c) make derivative works of any software, applets, images, photographs, or scripts; (d) remove any copyright or other proprietary notices from the materials on this Web site; (e) transfer the materials presented on this Web site to another person, organization, or Web site. Esta imagem fornecida pelo website História Fácil são de direitos autorais e uso não autorizado de qualquer um destes materiais pode violar direitos autorais e / ou outras leis. Estes termos estão sujeitos às seguintes restrições: os usuários não podem: (a) alterar qualquer material neste site ou usá-los para qualquer fim comercial, exibição pública, performance, venda, arrendamento ou locação; (b) fazer engenharia reversa, descompilar ou desmontar qualquer software, applets, imagens, fotografias, ou scripts, exceto e somente até o limite permitido pela legislação aplicável; (c) criar obras derivadas de qualquer software, applets, imagens, fotografias, ou os scripts; (d) remover quaisquer direitos autorais ou outros avisos de propriedade dos materiais neste site; (e) transferir os materiais apresentados neste site para outra pessoa, organização ou Web site.

Você sabia?

O voto de cabresto é um sistema tradicional de controle de poder político, onde os votos eram assegurados por meio do abuso de autoridade. O coronel era um grande fazendeiro que utilizava seu poder econômico para garantir a eleição dos candidatos que apoiava. Era usado o voto de cabresto, onde o coronel (fazendeiro) obrigava e usava até mesmo de violência para que os eleitores de seu “curral eleitoral” votassem nos candidatos apoiados por ele. Como o voto era aberto, os eleitores eram pressionados e fiscalizados por capangas do coronel, para que votassem nos candidatos por ele indicados.

Também poderia haver a compra de votos e a utilização da máquina pública.

Era um mecanismo comum no Brasil como característica do coronelismo.

Fonte: Wikipedia (https://pt.wikipedia.org/wiki/Voto_de_cabresto).

 

A política do café com leite foi uma estrutura de poder empregado no Brasil durante a República Velha (de 1889 até 1930), que consistiu no predomínio político dos cafeicultores de São Paulo e dos fazendeiros de Minas Gerais, que se revezavam ocupando a presidência do país.

Foi então que se estruturou oficialmente durante o governo do presidente Campos Sales (1898-1902). A oligarquia paulista estava reunida no Partido Republicano Paulista (PRP), e a mineira, no Partido Republicano Mineiro (PRM). Dessa forma, São Paulo, indicado como maior produtor de café do país, e Minas Gerais, maior produtor de leite no país, uniriam suas forças políticas e econômicas para controlar o cenário político brasileiro através de um revezamento de presidentes no poder.

 

 

O fim

O sistema só começou a se desestabilizar com a queda do preço do café a partir de 1914. Para manter a valorização do produto, vendia-se cada vez menos, e o governo federal, sempre fiel servidor dos barões do café, conseguia empréstimos de quantias exorbitantes para manter a renda das elites paulistas. A economia cafeeira era extremamente dependente do mercado internacional, com os preços baixos pouco se recuperou até a Quebra da Bolsa de Nova York em 1929, fazendo com que os cafeicultores tivessem que recorrer diretamente a empréstimos federais causando a perda de prestígio e de poder político.

cafe com leite

Capa da revista “Careta”, de 1926, com uma charge onde são retratados 2 “gigantes” representando São Paulo e Minas na política.

 

Enfraquecidas, as oligarquias paulistas temiam um golpe mineiro, e se aliaram as elites do Rio Grande do Sul para quebrarem a Política do Café-com-Leite. Essa tentativa de golpe terminou na Revolução de 1930, que empossou Getúlio Vargas, criando o Estado Novo. A reação paulista à “traição” gaúcha viria 2 anos depois, na Revolução Constitucionalista, que, apesar de ter sido uma derrota militar, foi uma vitória política que viu a oligarquia paulista recuperar seu prestígio e poder novamente.

 

 

Presidentes Eleitos

Presidentes mineiros (PRM)

  • Afonso Pena – presidente da República (1906-1909)
  • Venceslau Brás – presidente da República (1914-1918)
  • Delfim Moreira – presidente da República (1918-1919)
  • Artur Bernardes – presidente da República (1922-1926)

Presidentes paulistas (PRP)

  • Prudente de Morais – presidente da República (1894-1898)
  • Campos Sales – presidente da República (1898-1902)
  • Rodrigues Alves – presidente da República (1902-1906)
  • Washington Luís – presidente da República (1926-1930)
  • Júlio Prestes – presidente da República (mandato 1930-1934; não tomou posse)

 

 

Para saber mais

Vídeo deste artigo (clique aqui)

 

 

Referência Bibliográfica

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil, 22ª ed., São Paulo: Editora Nacional, 1987.

Artigos Relacionados

Ilustrações de personagens (Tiradentes, César, Napoleão e Cabral): Copyright © 2015 História Fácil (http://www.historiafacil.com.br). Todos os direitos reservados. Vide termos de utilização deste site (clique aqui).

Autor: Eline Andrea Dornelas

Mestre em História Social- Universidade Estadual de Londrina. Pós-graduada em Arqueologia, Etnologia e Etnohistoria- Universidade Estadual de Maringá. Pós-graduada em Planejamento e Gestão em EaD- Universidade Federal Fluminense. Graduação em História e Pedagogia- Universidade Estadual de Londrina. Atuo hoje como Assessora Pedagógica e Consultora em educação na área pública e privada. Com ênfase em Formação de professores.

Copartilhe Este Artigo No